sábado, 18 de fevereiro de 2017


 

    Sabe aquele cheirinho de terra molhada que precede as chuvas de outono? Aquele barulhinho da chuva que soa como canção para dormir? Aquela brisa ao entardecer depois dos dias quentes de verão? Aquele por do sol fotográfico ou aquela lua cheia de entorpecer qualquer olhar? Sabe, essas sensações que a natureza nos proporciona que nos faz ver um outro lado da vida, um lado cheio de cor, cheio de oxigênio, uma perspectiva esperançosa após as tempestades.
   Tempestades, nossa, quanta tempestades...
O brilho ressurge em meio as trevas, o abismo estava cada vez mais fundo, mas daí, em meio a lama, e a todos os lamentos, surge o cheirinho, a sensação de frescor e o calor me fazendo emergir.
   Me lembro de você me perguntar certa vez: - Por que você parou de escrever? Sinceramente, eu acredito que simplesmente eu parei de sentir. Sentir qualquer coisa, eu vivia por viver, sobrevivia um dia após o outro, nada mais me parecia natural, nada mais me parecia novidade, não tinha por que e nem por quem. Em certos momentos, eu falei do quanto eu estava feliz, em outros eu me feria nos martírios, e escrevia, desabafava para que eu, comigo mesmo, sabermos o que estávamos sentindo em forma de letras. Não poderia escrever porque não tinha nada a dizer, nada sentia, então não seria verdadeiro. E lá se foram alguns anos de intervalo...
   É engraçado como a vida se mostra nos contornos do dia a dia, é engraçado como as energias se conectam num propósito maior. Alguns dizem que Deus tem um propósito para cada um de nós, uma história com início, meio e fim. E no "conto de fadas" dá minha trajetória, em meio a todos os meus conflitos pessoais, me surge você. Talvez me faltam palavras para descreve-la, se um dia, minhas palavras forem especiais ao ponto de se perpetuarem como os contos literários, quero que saibam bem como era. Era linda como uma flor no deserto, quente como a lava de um vulcão, da pele dourada, de identidade explosiva, do olhar penetrante, dura como a rocha mas suave quando em meus braços, dos lábios saborosos e de toque refinado. Quero que saibam porque você é e sempre será eterna, ainda que em idéia. Quero que escrevam também sobre você, quero usem sua imagem como exemplo de amor, quero que escrevam Odes a você, que te cultuem, como eu faço. Quero que meu legado seja parte você, parte nós dois.
   Estar perto de você, é sentir Deus mais próximo de mim. Nós criamos nosso pecado toda noite e encontramos a redenção pela manhã. A noite, só é noite quando tu estás comigo, quando me aquece entre os lençóis, quando se acalanta perto do meu peito, quando nossas respirações se conectam. Talvez você não saiba, mais eu te vejo dormir, olho os detalhes do seu rosto, crio películas cinematográficas na minha imaginação pra nunca perder nada que vivi com você. Me emaranho nos seus cabelos, sinto seu cheiro, seu gosto, meu desejo é você, só você, queria que você nunca esquecesse isso.
   Agora, estou aqui novamente, escrevendo, traduzido em palavras meus sentimentos, agora tenho motivos, tenho sentimentos, estar aqui novamente é sorrir desta vez, é rezar todos os dias, é agradecer a Deus por estar aqui, e pedir aos anjos que transportem para você todo amor que sinto por você, até quando você dorme no meio do filme eu te amo. Eu te amo em todos os momentos, em todas as estações, em todos os lugares em toda perspectiva. Você é meu por do sol, é a brisa do entardecer e a lua de entorpecer.
  Você é aquilo que eu tenho de puro e mais verdadeiro em mim. Eu vivo de você, para você e por você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário